Sem plumas, mas com muito paetê!

A ordem agora é uma só: brilhe! Já pode resgatar aquele vestidinho de paetês que você guardou no closet pelos últimos dez anos. O modelo coberto de lantejoulas é peça-chave em qualquer guarda-roupas e voltou com tudo nessa temporada.

A palavra paetê vem do francês “pailleté” que significa “coberto com lantejoulas”. Acredita-se que a lantejoula é usada desde 2.500 a.C. e, originalmente, eram discos dourados produzidos em metal. As lantejoulas serviam para embelezar as roupas dos reis e rainhas e eram costuradas nas peças para designar riqueza.

Na moda, o paetê surgiu no início dos anos 40, sendo utilizado pela primeira vez por Coco Chanel e Paul Poiret. No entanto, o uso da lantejoula nas roupas se popularizou nas décadas de 70 e 80, impulsionado pela “era disco” e por meio da música pop, em artistas como David Bowie, Madonna e Michael Jackson.

Pode até não parecer mas o paetê é bem democrático. Quando usado da forma mais conhecida, com muito brilho, as ocasiões mais formais e noturnas são mais indicadas. Mas, se a opção for por paetês mais foscos e opacos, podem ser usados tranquilamente durante o dia. Guardando, obviamente, as devidas proporções. Nada de sair por aí fantasiada de pote de glitter, hein?!

Tipos de paetês
Existem paetês maiores e menores. Ambos são chiques e, dependendo da qualidade e da montagem do look, o estilo formal ou casual se define. Longo ou curto, um vestido de paetê pode ser bordado inteiro ou apenas em algumas partes. Entretanto, o modelo curto, mais minimalista, é o mais usado. Por ser menos formal, vai bem em ocasiões como casamentos, coquetéis, formaturas e até baladas!

Dicas valiosas
Equilíbrio é a palavra quando falamos de paetês. Para o visual não ficar over, carregado, o ideal é combinar a peça de lantejoulas com peças mais sóbrias e neutras. Isso harmoniza o look e chama atenção pra quem deve ter atenção: o brilho!

E aí? Pronta pra se jogar nas lantejoulas?

 

Marcações

Você também pode gostar

Comentários

Deixe uma resposta